Caiado reforça papel crucial da ciência na abertura da Conferência Nacional de Defesa Agropecuária

O Governo de Goiás é parceiro do evento, que acontece até 6 de junho no Centro de Convenções de Goiânia, onde ações e projetos estaduais serão apresentados a mais de 1,2 mil profissionais e produtores rurais.

Pela primeira vez, a região Centro-Oeste sedia a Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, com o Centro de Convenções de Goiânia como palco. Com apoio do Governo de Goiás, através da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), o governador Ronaldo Caiado destacou, na abertura do evento, a importância do conhecimento científico para a segurança na produção de alimentos. “Temos que respeitar a natureza e evoluir a produtividade com controle e pesquisa. Acredito na ciência”, afirmou.

Caiado ressaltou o rápido progresso do setor agropecuário brasileiro e a relevância do controle sanitário. “Temos potencial para alimentar não apenas nossa população, mas cerca de 1 bilhão de pessoas em outros países”, disse. Ele enfatizou que a conscientização deve vir antes das punições, e que a Agrodefesa se esforça para educar e fiscalizar, orientando a população.

A expectativa é que mais de 1,2 mil pessoas — entre técnicos, engenheiros, fiscais, professores, estudantes e produtores rurais — participem até quinta-feira (06/06). Mais de 80 palestrantes abordarão temas como agrotóxicos, bioinsumos, educação sanitária, inovação, inspeção animal e vegetal, insumos veterinários, inteligência artificial, melhoramento genético, mercado internacional, segurança alimentar, sustentabilidade animal e mercado para mulheres no agro.

A Agrodefesa, anfitriã da Conferência, apresenta suas ações e projetos em um estande. O público pode conhecer as iniciativas do Governo de Goiás na sanidade animal e vegetal, além das plataformas digitais para controle de defesa agropecuária.

“Durante estes três dias, Goiás está no centro nacional do debate sobre sanidade agrícola e pecuária”, afirmou José Ricardo Caixeta, presidente da Agrodefesa. “Discutir os desafios e propostas para a sanidade animal e vegetal é do interesse de toda a sociedade, pois diz respeito ao que consumimos diariamente”, completou.

Paulo Emílio, presidente da Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária (SBDA), definiu a defesa agropecuária como uma “política pública de soberania nacional” e destacou o protagonismo do segmento na erradicação de doenças, exemplificando com o trabalho que tornou Goiás livre da febre aftosa.

Realizada a cada dois anos pela SBDA, a Conferência em 2024 conta com apoio de diversas entidades do setor agropecuário, incluindo a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), a Superintendência Federal de Agricultura em Goiás (SFA-GO) do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), o Sistema OCB Goiás, o CRMV-GO, o Crea Goiás e a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo