Crescimento dos títulos do agronegócio em maio reflete bom desempenho

Avalie o Post post

O Boletim de Finanças Privadas do Agro, publicado recentemente no site do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), destacou o desempenho robusto dos principais instrumentos privados de financiamento do agronegócio, incluindo as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) e as Cédulas de Produto Rural (CPR).

Em maio, o estoque das LCA subiu 15% em comparação ao mesmo período do ano anterior, passando de R$ 409 bilhões para R$ 471 bilhões, apesar de uma pequena queda de 1% nos últimos cinco meses.

Para as CPR, o crescimento foi ainda mais notável, com o estoque atingindo R$ 340 bilhões em maio, um aumento de 37% em relação a 2023. Desde 2020, com a obrigatoriedade do registro de emissão, o volume e o valor desses títulos têm mostrado um crescimento consistente.

Os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas do Agronegócio (Fiagro), embora representem uma parcela menor dos recursos de financiamento, tiveram um aumento significativo no patrimônio líquido, que subiu 147% em 12 meses, atingindo R$ 34,77 bilhões em maio.

Segundo a Secretaria de Política Agrícola (SPA/Mapa), a variação negativa de 8% no patrimônio líquido dos Fiagro nos últimos cinco meses deveu-se à migração de um fundo, sem afetar os fundos restantes.

Os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) cresceram 31% ao longo dos últimos 12 meses, com o estoque passando de R$ 106 bilhões em 2023 para R$ 140 bilhões em 2024.

Por outro lado, os Certificados de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA) cresceram 11% em maio, atingindo R$ 32 bilhões.

O Boletim é uma produção do Departamento de Política de Financiamento ao Setor Agropecuário, da Secretaria de Política Agrícola.

Mostre mais

# Gil Campos

Gil Campos é jornalista, publicitário e fundador/diretor do Jornal Folha de Goiás, Jornal Opinião Goiás e Agência Ideia Goiás. Fale com Gil Campos Whatsapp (62) 99822-8647 [email protected] [email protected] [email protected]

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo