DestaqueGoiâniaGoiásManchetes

Goiânia – Vereadores da CEI investigam favorecimento de empresa que prestava serviço à Saúde

Segundo auditoria da própria prefeitura a que o vereador teve acesso, em 2013, a Cliame era responsável por 27,36% do total de procedimentos.

Os vereadores da Comissão Especial de Inquérito que apura irregularidades na Saúde em Goiânia investigam um suposto esquema de favorecimento da empresa CLIAME – Centro de Atendimento Médico Especializado –  na prestação de serviços ao Município. O relator da CEI, vereador Elias Vaz (PSB), descobriu que a empresa passou a concentrar, em quatro anos, quase todo o serviço contratado pela Secretaria Municipal de Saúde para a retirada de cálculos renais, conhecido como litotripsia.

Segundo auditoria da própria prefeitura a que o vereador teve acesso, em 2013, a Cliame era responsável por 27,36% do total de procedimentos. Em 2014, esse volume saltou para 50,42%. Em 2015, subiu mais um pouco: 59,46%. E em 2016 a empresa realizou 70,19% do serviço de litotripsia pago pelo Município. Além disso, a auditoria revela que a prefeitura pagou à Cliame por procedimentos que exigiam internação apesar de a empresa não dispor de leitos.

Chamam a atenção alguns fatos confirmados pelos depoentes nesta sexta-feira. A ex-diretora de Regulação, Avaliação e Controle do Município, Daniela Domiciano de Moura, já havia trabalhado em outra empresa do mesmo dono da Cliame, George Alves de Brito. Daniela admitiu ainda que o marido dela formou na mesma turma de Medicina de George e que ela e o proprietário da clínica mantém relações de amizade. “É muita coincidência a Daniela ocupar desde o fim de 2013 até o ano passado cargo de direção na Regulação, que praticamente decide que empresa vai executar os serviços, podendo direcionar o atendimento para quem quiser, e justamente nesse período a Cliame registrar esse crescimento vertiginoso nos atendimentos”, afirma Elias Vaz.

Na época da auditoria feita para apurar por que a Cliame sempre ultrapassava as cotas mensais e chegava a atender cinco vezes mais pacientes que outras clínicas credenciadas, a ex-diretora pediu vista do processo. E só devolveu a documentação depois de cobrança dos auditores. Para os vereadores, ela justificou que “queria saber por que o processo (para liberação de pagamento) estava parado” e sustentou que devolveu os documentos depois que soube que estavam passando por auditoria.

Questionada por Elias Vaz sobre o alto volume de procedimentos liberados para a empresa, Daniela Domiciano argumentou que não tinha acesso a prontuários e que os pedidos eram feitos após consultas médicas. Já o dono da Cliame tentou atribuir os números à ‘falta de vontade de outras clínicas em realizar o procedimento’.

Mas o relator da CEI esclarece que a investigação vai continuar. “Queremos descobrir se houve favorecimento da empresa, com direcionamento de pacientes para serem atendidos especificamente por essa clínica. Não é possível que ela seja a única interessada em atender o cidadão de Goiânia. Esses argumentos não convencem”. A empresa foi descredenciada pelo Município ontem (15), segundo informou a vereadora Cristina Lopes durante a reunião da Comissão .

Odontológos

Elias Vaz também solicitou que a CEI cobre esclarecimentos da Secretaria Municipal de Saúde sobre o remanejamento de odontólogos que atuavam no Centro de Referência em Ortopedia e Fisioterapia (Crof) para unidades de saúde. Os profissionais eram responsáveis por cirurgias buco-maxilo-faciais e, com a medida, os procedimentos foram suspensos no Município.

 “Com isso, o paciente ou fica sem atendimento ou vai ter que procurar o Hugo, que cuida de casos muito mais graves, ou seja, vai aumentar o custo e a espera do paciente, que sempre acaba pagando essa conta. A Secretaria de Saúde precisa explicar por que fez esse remanejamento. O Município tem os profissionais na rede e tem os equipamentos para fazer as cirurgias. Não faz sentido”, afirma o vereador.

Frota Saúde

A Comissão decidiu convocar para a próxima quinta-feira (22) a gerente de transporte da SMS desde 2014, Maxilânia Clemente Costa, o ex-supervisor de transportes da Secretaria, Wilson Rodrigues, e um dos donos da Útil Pneus Peças e Serviços Ltda. Os depoimentos seriam na próxima segunda, mas foram remarcados porque o prefeito Iris Rezende vem à Câmara para prestação de contas.

Os três convocados vão ser ouvidos sobre a denúncia apresentada por Elias Vaz de superfaturamento na manutenção da frota da Secretaria Municipal de Saúde. Entre 2012 e 2016, a prefeitura pagou R$13.745.469,05 à Útil Pneus, Peças e Serviços Ltda, com sede no Setor dos Funcionários, em Goiânia. A média é de R$37.250 por veículo.A frota tem 369 veículos, entre carros populares (que representam 57,45% do total), e utilitários, como caminhonetes e vans, algumas usadas como ambulâncias. Os vereadores da CEI descobriram ambulâncias com alto custo de manutenção sucateadas em um pátio da prefeitura.

Tags
Mostre mais

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar