Jornais de Goiânia – Setor portuário registra aumento na eficiência de serviços em 2020

A expectativa é que, a partir do próximo ano, sejam feitos mais investimentos com leilões de concessões e privatização

Osetor portuário não parou durante o ano de 2020, colaborando com a economia brasileira. A expectativa para os próximos anos é uma previsão de investimentos no setor portuário de, pelo menos, R$ 30 bilhões. Dinheiro que será aplicado nos portos administrados pelo poder público, e também nos terminais de uso privado. Os recursos virão de novos leilões e contratos.

“Teremos um ano muito bom, muito importante em termos de realizações para o setor portuário”, afirmou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. “Estamos crescendo em todos os portos a partir de uma profissionalização da gestão que aconteceu e os portos estão conseguindo dar resultado às demandas que estão vindo, principalmente daqueles setores mais resilientes da economia como o setor do agro.”

Sérgio Aquino, presidente da Federação Nacional das Operações Portuárias (Fenop), destacou o trabalho do Governo para dar continuidade aos trabalhos, mesmo com a Covid-19. “Era absolutamente importante que os fluxos comerciais permanecessem, que o Brasil continuasse exportando para garantir balança comercial e garantir fluxos financeiros, como também a importação de insumos e equipamentos para o enfrentamento da doença. Os portos continuaram trabalhando ininterruptamente.”

Para se ter uma ideia, no segundo trimestre de 2020, incluindo portos e terminais privados, o país movimentou 286,4 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 7,9% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o Boletim Informativo Aquaviário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Ranking

O setor portuário brasileiro subiu 13 posições no ranking de modais do Fórum Econômico Mundial no nível de eficiência dos serviços. Outro índice que mostra avanços no setor é a premiação Portos + Brasil, do Ministério da Infraestrutura. Pela primeira vez, foram reconhecidas as melhores práticas em gestão e desempenho. O terminal de Paranaguá, no Paraná, venceu em duas das quatro categorias do prêmio. Foram avaliados itens como execução dos investimentos, crescimento da movimentação e lucro.

Leilão e desestatização

Em dezembro, o Ministério da Infraestrutura arrecadou o total de R$ 87,5 milhões em outorgas com o leilão dos quatro terminais portuários localizados em Alagoas, Bahia e Paraná, que atrairão mais de R$ 400 milhões em investimentos.

E no dia 17 de dezembro, o Governo Federal aprovou a abertura da consulta pública sobre os estudos do projeto de desestatização dos portos de Vitória e Barra do Riacho, administrados pela Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa). As audiências serão virtuais e os documentos estarão disponíveis para consulta e contribuições no site da Antaq, a partir de 28 de dezembro.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, é o primeiro projeto de desestatização de portos públicos implantado no Brasil. A ideia é transferir para a iniciativa privada, que já atua na operação portuária, a gestão das infraestruturas e áreas públicas, trazendo melhorias operacionais e na qualidade dos serviços prestados, além de maior agilidade e capacidade de investimentos necessários.

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo