BrasilDestaqueGoiâniaGoiásManchetesTecnologia

Jornal de Goiás – Cientista da UFMG usa a microscopia óptica para investigar o Alzheimer

Vamos conhecer o trabalho de Ado Jório de Vasconcelos e sua equipe no Departamento de Física da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). As pesquisas de Jório têm dado contribuições importantes para a biomedicina, por meio da ótica, aliada ao estudo de nanoestruturas.

O trabalho do cientista vem ajudando a diagnosticar o Mal de Alzheimer, antes de a doença dar os primeiros sinais. Para isso, a equipe do professor estuda mudanças na estrutura do olho das pessoas.

“O olho é uma janela para o cérebro”, afirma Ado Jório. “Com um feixe de luz no nervo óptico, a gente é capaz de identificar o desenvolvimento do Alzheimer”.

A técnica desenvolvida no laboratório coordenado pelo cientista permite identificar, na retina dos olhos, a proteína beta amiloide. Quando essa proteína se acumula entre as células nervosas, interrompe a comunicação entre os neurônios e causa sua morte. A morte dos neurônios está associada à perda de memória e à demência, sinais do Alzheimer.

Identificar a beta amiloide no olho só é possível por meio de aparelho desenvolvido no laboratório do Dr.Jório e que aumenta 100 mil vezes o tamanho das coisas.

Mostre mais

# EBC

EBC. Os artigos são de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do veículo, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo