Jornal de Goiás – Prisão de assessor de venezuelano Guaidó foi feita com provas frágeis

Aproximadamente às 2h da manhã de 21 de março, oito agentes de inteligência da Venezuela foram à casa do principal assessor do líder de oposição Juan Guaidó e arrombaram a porta.

Eles revistaram o quarto do suspeito —o chefe de gabinete de Guaidó, Roberto Marrero— e encontraram dois fuzis de estilo militar e uma granada, disseram os agentes em registros judiciais sigilosos vistos pela Reuters e revelados pela primeira vez.

A agência de inteligência Sebin, controlada pelo presidente socialista Nicolás Maduro, detalhou as provas contra Marrero em dois relatórios que agentes disseram ter compilado seis dias antes, em 15 de março, segundo os autos. Os relatórios acusaram Marrero de contrabandear armas e explosivos da Colômbia e de publicar mensagens em redes sociais que mais tarde procuradores classificariam como traição.

Mas o relatórios se contradizem de maneiras que levam a crer que as provas das redes sociais foram reunidas às pressas somente após a operação de busca e apreensão, e não seis dias antes, como os agentes e os procuradores atestaram nos autos. E uma juíza concedeu o mandado de busca de armas com base na palavra de um único agente da Sebin que nunca detalhou nenhuma prova de contrabando no pedido de mandado visto pela Reuters.

Um relatório da Sebin inclui uma captura de tela de uma pesquisa dos termos “Roberto Marrero Instagram” no Google que agentes disseram ter sido feita às 8h37 de 15 de março — mas que na verdade foi realizada ao menos seis dias depois, como evidenciado pelas três reportagens incluídas nos resultados de pesquisa que noticiaram a busca de 21 de março na casa de Marrero.

Agentes e procuradores atestaram nos autos que apresentaram a pesquisa —incluindo as reportagens sobre a busca— em um pedido de mandado arquivado quase uma semana antes de a busca acontecer.

O pedido de mandado, datado de 15 de março, foi aprovado pela juíza Carol Padilla em 20 de março. Em abril, Carol foi punida pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros do Tesouro dos Estados Unidos “por fazer justiça em nome deste regime ilegítimo” —uma referência ao governo Maduro— quando presidia um tribunal de Caracas que trata de casos de terrorismo e crime organizado.

A Suprema Corte Venezuela não respondeu a telefonemas pedindo comentários sobre a juíza.

As provas vagas e contraditórias contra Marrero criam dúvidas sobre o caso contra uma figura destacada da oposição, cuja prisão desencadeou uma repressão mais abrangente do governo Maduro contra os aliados mais próximos de Guaidó. Os EUA pediram a libertação de Marrero, descrevendo-o como um dos 800 prisioneiros políticos da Venezuela.

O advogado de Marrero, Joel Garcia, disse que seu cliente negou todas as acusações. Garcia alegou, sem oferecer provas, que os agentes plantaram as armas na residência de Marrero.

Garcia disse que a corte não lhe permitiu ver o arquivo do caso, que inclui os relatórios da Sebin — uma violação da lei venezuelana. Quando a Reuters lhe mostrou os arquivos, Garcia disse: “É evidente que o arquivo do caso foi montado depois de sua prisão, e não antes”.

Outra pesquisa de internet que os agentes da Sebin citaram no relatório de 15 de março inclui um vídeo que Marrero não publicou no Instagram até o dia 18 de março, de acordo com a data indicada na rede social.

O vídeo mostra Carlos Vecchio, representante de Guaidó em Washington, retirando um retrato de Maduro do escritório do adido militar da Venezuela na capital norte-americana.

A alegação de contrabando de armas veio de Noel Farreras, agente da Sebin que disse no relatório, sem citar provas, que Marrero transportou “fuzis e material explosivo” da Colômbia ilegalmente. O relatório não detalhou quando ou onde a suposta travessia ocorreu.

A Reuters não conseguiu falar com um porta-voz do Sebin ou contatar Farreras. O Escritório da Vice-Presidência, que supervisiona a Sebin, e a Procuradoria-Geral não responderam a perguntas por escrito da Reuters sobre a investigação. Um porta-voz do Ministério da Defesa colombiano não quis comentar a alegação de contrabando de armas.

Marrero, de 49 anos, continua detido na sede da Sebin, em Caracas, e aguardando uma audiência preliminar, disse seu advogado. Procuradores o acusaram de traição, conspiração e ocultação de armas e explosivos. Uma condenação pode significar mais de 30 anos de prisão.

Garcia disse que seu cliente esteve na Colômbia em fevereiro para ajudar a coordenar esforços para enviar ajuda estrangeira através da fronteira, não para contrabandear armas.

Agentes da Sebin analisaram seis postagens de Marrero feitas em fevereiro e março em seu relatório aos procuradores, que mais tarde escreveram à corte que seus clamores por “ajuda humanitária”, apoiados por EUA e Colômbia, equivalem a traição porque ele não tinha autorização.

Segundo o que disseram no relatório, dois quilômetros antes de chegarem à casa de Marrero os agentes pararam junto a um carrinho de cachorro quente no bairro boêmio de Las Mercedes e selecionaram duas pessoas para observar a operação de busca – uma tentativa de cumprir uma exigência legal de que tais buscas sejam testemunhadas por dois “vizinhos” do suspeito.

Avalie esta postagem

# Reuters

Reuters

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo