Jornal Folha de Goiás – A Via Láctea e além: cientistas publicam novos dados sobre quase 2 bilhões de estrelas

Estrelas, estrelas e mais estrelas.

A partir de hoje (3 de dezembro), os cientistas têm 1,8 bilhões de estrelas locais na ponta dos dedos.

Essa recompensa se deve à missão Gaia da Agência Espacial Européia , que passou 6,5 anos rastreando estrelas na Via Láctea e além. Usando as observações da espaçonave, os cientistas podem criar um mapa 3D preciso de estrelas e encontrar padrões em toda a galáxia.

“Essencialmente, toda a astronomia se beneficia disso de uma forma ou de outra, porque são dados muito fundamentais”, disse Anthony Brown, astrônomo da Universidade de Leiden, na Holanda, e presidente da equipe executiva do Consórcio de Análise e Processamento de Dados Gaia, ao Space.com. “É uma missão de pesquisa muito ampla.”

É claro que estudar 1,8 bilhão de estrelas é impressionante, mas o cerne da ciência da missão é a análise estatística que essas grandes quantidades de dados facilitam. “Acho que o número preciso não importa muito”, disse Brown. “Ainda estamos observando apenas cerca de 1% de todas as estrelas da Via Láctea, mesmo com esse número enorme.”

Embora hoje seja a primeira chance dos cientistas de acessar os dados publicamente, os membros da equipe do Gaia já os vasculharam para conduzir algumas análises iniciais. Um resultado desse trabalho é que os cientistas mediram como o sistema solar está se acelerando em sua órbita da Via Láctea, um fenômeno minúsculo.

Para fazer isso, Gaia estudou mais de um milhão de quasares – objetos brilhantes no coração das galáxias – localizados tão distantes que não deveriam se mover. Mas eles fazem, e em um padrão que aponta para o centro do centro da Via Láctea e reflete todos os pequenos puxões que o sistema solar experimenta de objetos vizinhos.

O resultado é um valor que é uma fração de uma fração de metro, medido com uma precisão ainda menor, um número extremamente pequeno que não poderia ser calculado de forma significativa até o lançamento de novos dados.

“É incrível que se possa fazer isso”, disse Brown sobre a medição.

E isso é apenas o começo. Os dados de hoje são o terceiro tesouro da espaçonave Gaia e incluem quase três anos de observações, menos da metade do que foi coletado até agora. (A desconexão decorre da grande quantidade de dados que Gaia coleta e do trabalho de processamento que 400 membros da equipe espalhados pela Europa devem fazer para transformá-los em resultados públicos.) E pelo menos mais dois lançamentos de dados estão planejados, potencialmente mais se a missão de Gaia for estendido para durar uma década inteira.

Entre muitas outras pesquisas, o lançamento de dados anterior permitiu aos cientistas rastrear a história da formação da Via Láctea, disse Brown. Essas medições identificaram a fusão significativa mais recente da Via Láctea , há cerca de 10 bilhões de anos. Mais recentemente, como a Via Láctea lentamente dilacerou uma galáxia anã próxima, as interações parecem coincidir com explosões de formação de estrelas na Via Láctea, um tipo diferente de configuração galáctica.

Brown destacou uma descoberta diferente dos dados anteriores para mostrar o tipo de ciência que Gaia pode facilitar, com base em observações de anãs brancas , os núcleos superdensos de estrelas como o nosso sol que perderam suas camadas externas e ficaram sem combustível.

Nas medições de Gaia da luminosidade e temperatura dessas estrelas, os cientistas puderam identificar os níveis de brilho nos quais as estrelas geralmente escurecidas parecem pairar um pouco antes de continuar a desaparecer. E isso, disse Brown, é a evidência de que nas profundezas dessas estrelas, carbono e oxigênio estão se cristalizando, o que os cientistas esperavam há muito tempo, mas não puderam observar.

“Gosto muito deste resultado porque começamos dizendo, ‘OK, vamos ver a que distância essas coisas estão’, e você acaba olhando para o interior e provando que elas cristalizam”, disse Brown. “Isso foi previsto há 50 anos, mas esta é a primeira vez que podemos provar com observações que está acontecendo.”

E hoje, os cientistas têm dados ainda mais poderosos para usar.

Os novos dados estão disponíveis através da Agência Espacial Europeia.

Mostre mais

# Jornal Folha de Goiás

Redação. E-mails: jornalismo@folhadegoias.info / redacao@folhadegoias.info.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo