CiênciaDestaqueGoiâniaGoiásManchetesMundo

Jornal Folha de Goiás – Riscos da terra se inclinam para o estado “estufa”, diz estudo

Um campo de milho seco é retratado em 6 de agosto de 2018 em Mitschdorf, no leste da França, enquanto uma onda de calor varre a Europa

O planeta precisa urgentemente fazer a transição para uma economia verde, porque a poluição por combustíveis fósseis arrisca-se a empurrar a Terra para um estado duradouro e perigoso de “estufa”, alertaram os pesquisadores na segunda-feira.

Se o gelo polar continuar a derreter, as florestas forem reduzidas e os gases com efeito de estufa subirem para novos máximos – como fazem atualmente todos os anos – a Terra passará um ponto de inflexão.

Atravessar esse limiar “garante um clima 4-5 Celsius (7-9 Fahrenheit) maior do que o período pré-industrial, e os níveis do mar que são 10 a 60 metros (30-200 pés) mais elevados do que hoje”, alertaram os cientistas nos Proceedings of Academia Nacional de Ciências.

E isso “pode ​​levar apenas algumas décadas”, disseram eles.

– O que é ‘terra da estufa’? –

“É provável que a Terra da estufa seja incontrolável e perigosa para muitos”, disse o artigo de cientistas da Universidade de Copenhague, da Universidade Nacional da Austrália e do Instituto Potsdam para Pesquisa sobre o Impacto Climático, na Alemanha.

Rios inundariam, tempestades destruiriam as comunidades costeiras e os recifes de coral seriam eliminados – tudo no final do século ou até antes.

As temperaturas médias globais excederiam as de qualquer período interglacial – o que significa eras mais quentes entre as Idades do Gelo – dos últimos 1,2 milhões de anos.

O derretimento das calotas polares levaria a níveis do mar dramaticamente mais altos, inundando terras costeiras que abrigam centenas de milhões de pessoas.

“Os lugares na Terra se tornarão inabitáveis ​​se ‘Hothouse Earth’ se tornar realidade”, disse o co-autor Johan Rockstrom, diretor executivo do Stockholm Resilience Center.

– Onde está o ponto de inflexão? –

Pesquisadores sugerem que o ponto de inflexão poderia vir uma vez que a Terra esquentasse a 3,6 graus Fahrenheit (2 graus Celsius) nos tempos pré-industriais.

O planeta já aqueceu 1 C nos tempos pré-industriais e está se aquecendo a uma taxa de 0,17 C por década.

“O aquecimento a 2 C poderia ativar importantes elementos de inclinação, elevando ainda mais a temperatura para ativar outros elementos de inclinação em uma cascata de dominó que poderia levar o Sistema Terrestre a temperaturas ainda mais altas”, disse o relatório.

Essa cascata “pode ​​levar todo o sistema da Terra a um novo modo de operação”, disse o coautor Hans Joachim Schellnhuber, diretor do Instituto Potsdam para Pesquisa sobre o Impacto Climático.

Especialistas também se preocupam com fenômenos como incêndios florestais, que se espalharão à medida que o planeta se tornar mais quente e seco e tiver o potencial de acelerar o acúmulo de dióxido de carbono e o aquecimento global.

– Como eles calcularam isso –

O artigo “Perspectiva” é baseado em estudos publicados anteriormente sobre pontos de inflexão para a Terra.

Os cientistas também examinaram as condições que a Terra viu em um passado distante, como o período Plioceno, cinco milhões de anos atrás, quando o CO2 estava em 400 ppm, como hoje.

Durante o período Cretáceo, a era dos dinossauros há cerca de 100 milhões de anos, os níveis de CO2 foram ainda mais elevados, a 1.000 ppm, em grande parte devido à atividade vulcânica.

Afirmar que 2 C é um limite sem retorno “é novo”, disse Martin Siegert, co-diretor do Grantham Institute do Imperial College London, que não esteve envolvido no estudo.

Os autores do estudo “reuniram idéias e teorias publicadas anteriormente para apresentar uma narrativa sobre como a mudança de limiar iria funcionar”, disse ele.

“É bastante seletivo, mas não estranho.”

– Como parar isso –

As pessoas devem mudar imediatamente seu estilo de vida para serem melhores administradores da Terra, disseram os pesquisadores.

Os combustíveis fósseis devem ser substituídos por fontes de energia com emissões baixas ou zero, e deve haver mais estratégias para absorver as emissões de carbono, como acabar com o desmatamento e plantar árvores para absorver o dióxido de carbono.

O manejo do solo, melhores práticas agrícolas, conservação da terra e do litoral e tecnologias de captura de carbono também estão na lista de ações.

No entanto, mesmo se os humanos parassem de emitir gases do efeito estufa, a tendência atual de aquecimento poderia desencadear outros processos do sistema terrestre, chamados de retroalimentação, aumentando ainda mais o aquecimento.

Estes incluem descongelamento do permafrost, desmatamento, perda de cobertura de neve no hemisfério norte, gelo marinho e lençóis de gelo polar.

Pesquisadores dizem que não é certo que a Terra possa permanecer estável.

“O que ainda não sabemos é se o sistema climático pode ser estacionado com segurança perto de 2 ° C acima dos níveis pré-industriais, como prevê o Acordo de Paris”, disse Schellnhuber.

Jornal Folha de Goiás – Riscos da terra se inclinam para o estado “estufa”, diz estudo
5 (100%) 1 vote
Tags

# Jonas

Jonas - Editor, colunista e também responsável pela gestão das redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *