Jornal Folha de Goiás – SUS oferece gratuitamente cirurgia de vasectomia em todo o país

Procedimento leva de 15 a 20 minutos e não há necessidade de internação

Frequentemente procurada pelo público masculino, a vasectomia é uma cirurgia simples, mas que ainda gera dúvida sobre a possibilidade real de gravidez depois do procedimento. O urologista Álvaro Canuto explica que não há método contraceptivo cem por cento eficaz, entretanto, a vasectomia é a técnica que apresenta menor taxa de falha.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente cirurgia de vasectomia e todos os estados brasileiros possuem estabelecimentos para a realização. Como pré-requisito, o homem deve ter mais de 25 anos de idade ou no mínimo dois filhos. O serviço de saúde não oferece a cirurgia de reversão, em caso de arrependimento.

O procedimento leva de 15 a 20 minutos e não há necessidade de internação.

Para uma boa recuperação, o paciente deve fazer repouso, principalmente no dia do procedimento. “É necessário um período de abstinência sexual, até que haja cicatrização da ferida operatória. O homem deve evitar esforço físico e repousar, em média, por dez dias”, acrescenta o médico.

O empresário Lucas Cabral, de 32 anos de idade, realizou vasectomia há cinco meses, após decisão em comum acordo com a esposa. “Já temos dois filhos. Quando o segundo nasceu, veio a necessidade de fazer o procedimento”, conta ele, explicando que a cirurgia e o tempo de recuperação foram bastante tranquilos. “Não me arrependo em nada, pois foi uma atitude muito bem pensada”, complementa.

De acordo com o urologista, o temor do homem é ficar impotente após a cirurgia, mas esclarece que o procedimento não interfere nesse aspecto. “A vasectomia não compromete a vascularização do testículo, ou seja, não tem impacto na potência sexual, nem na função hormonal, ganho de peso ou libido”, explica.

Após a cirurgia, também é necessário utilizar outro método contraceptivo durante pelo menos 90 dias, segundo o médico. “Durante esse período o homem ainda continua fértil”, informa. De 2019 até junho deste ano já foram realizadas mais de 13 mil vasectomias no Brasil por meio do SUS.

Vasectomia pelo SUS

O interessado em fazer vasectomia deve procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e expressar a vontade de utilizar um método definitivo de planejamento familiar.

Uma consulta de enfermagem vai apresentar as opções de métodos contraceptivos disponíveis para a escolha consciente do usuário, estendida ao casal (se necessário), como dispositivo intrauterino (DIU), anticoncepção oral, injetável, laqueadura-tubária (LT) e preservativo masculino e feminino.

O paciente então é encaminhado para um especialista, que indica os exames pré-operatórios e orientações para a cirurgia. Como se trata de uma esterilização, os pacientes do SUS são submetidos a um questionário detalhado em um tempo de espera de 60 dias para refletirem sobre o assunto. Só depois desse prazo, se o homem continuar com a decisão, a cirurgia é agendada.

Mantida a decisão e com o preenchimento dos critérios da legislação sobre planejamento familiar (Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996), o usuário é encaminhado para consulta na Unidade Básica de Saúde. Com parecer médico favorável à realização do procedimento, a cirurgia pode ser agendada no serviço especializado.

Nova Lei

A nova Lei nº 14.443, sancionada em 2 de setembro de 2022, reduz de 25 para 21 anos a idade mínima para realizar esterilização voluntária em homens e mulheres com capacidade civil plena.

O documento acaba com a exigência de autorização do marido ou da esposa para fazer procedimentos de laqueadura ou vasectomia. Segundo a Lei de Planejamento Familiar de 1996, a esterilização dependia do consentimento expresso de ambos os cônjuges.

Essa nova legislação entra em vigor em março de 2023.

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
error: O conteúdo está protegido!