Procon Goiás revela empresas mais contestadas em novembro: Equatorial, Claro e Tim encabeçam a Lista

O Procon Goiás, em sua busca contínua por transparência e informação, apresentou o ranking mensal das empresas mais alvo de reclamações referentes ao mês de novembro. A análise abrangeu os dados de atendimentos realizados tanto presencialmente, por meio da plataforma Proconsumidor, quanto online, através do Procon Web.

A concessionária de energia elétrica Equatorial liderou o ranking com 161 queixas de consumidores. As principais críticas à Equatorial envolvem discrepâncias nas cobranças, instabilidade ou interrupção no fornecimento, e dificuldades ou atrasos nos reembolsos.

Na segunda posição, a operadora de telefonia Claro acumulou 116 registros. Entre as reclamações mais frequentes dos consumidores estão lançamentos não reconhecidos nas faturas e alterações contratuais sem solicitação ou aviso prévio.

A terceira colocação ficou com outra empresa do setor de telefonia, a Tim, que recebeu 93 reclamações. As principais queixas se relacionam a cobranças indevidas ou abusivas em contrato e a cobrança por serviços ou produtos não contratados.

Levy Rafael Cornélio, superintendente do Procon Goiás, destacou a importância do ranking como um instrumento de transparência, permitindo que a população tenha acesso às informações necessárias para fazer escolhas mais conscientes e, ao mesmo tempo, exigir o respeito aos seus direitos garantidos pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O relatório completo, detalhando as empresas mais contestadas em novembro, está disponível para consulta no site oficial do Procon.

Para denúncias e reclamações, os consumidores podem utilizar os canais de atendimento do Procon, seja pelo telefone 151 (para Goiânia) ou (62) 3201-7124 (para o interior). Além disso, as reclamações podem ser feitas presencialmente na sede do órgão, localizada na Rua 8, esquina com a Rua 3, no Centro de Goiânia, ou online através do canal Procon Web.

Avalie o Post post

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo