IPCA de Setembro Revela Ligeiro Aumento na Inflação Oficial, Segundo o IBGE

5/5 - (10 votes)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é o indicador utilizado para medir a inflação oficial no Brasil, registrou um aumento modesto de 0,26% no mês de setembro deste ano, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse aumento marca um nível de elevação em comparação ao mês anterior, quando a taxa ficou em 0,23%. Por outro lado, em setembro do ano anterior, o IPCA registrou deflação de 0,29%.

Os números divulgados pelo IBGE nesta terça-feira, dia 17, revelaram que o IPCA acumulou uma taxa de inflação de 3,50% no ano até o momento. Além disso, nos últimos 12 meses, a inflação acumulada atingiu 5,19%, ultrapassando o limite superior da meta de inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o ano, que é de 4,75%.

Dentre os novos grupos de despesas analisadas pelo IBGE, seis aumentos nos preços em setembro deste ano. O destaque fica para o grupo de transportes, que teve uma variação de 1,40%, principalmente devido ao significativo no preço da gasolina, que contribuiu vantajosamente para a inflação do mês, com um aumento de 2,80%. O gerente da pesquisa, André Almeida, destacou que a gasolina é o item de maior peso na cesta do IPCA.

Outros itens que tiveram aumentos incluem passagens aéreas (13,47%), óleo diesel (10,11%), gás veicular (0,66%) e ônibus intermunicipais (0,42%). O grupo de despesas com habitação também influenciou a inflação de setembro, com um aumento de 0,47%, principalmente devido à alta nos preços da energia elétrica residencial, que subiu 0,99%.

Em contrapartida, os grupos de despesas de alimentos continuaram a apresentar deflação em setembro, com uma queda de preços de 0,71%. Isso deve, em grande parte, reduções nos preços de itens como batata-inglesa (-10,41%), cebola (-8,08%), ovo de galinha (-4,96%), leite longa vida ( -4,06%) e carnes (-2,10%). Além disso, os grupos de artigos de residência (-0,58%) e comunicação (-0,11%) também registraram deflação no mês.

Mostre mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo